terça-feira, 11 de agosto de 2009

en Goûté... Ao redor do mundo do vinho

Beber vinho tornou-se um prazer, para mim, há pouco tempo (aqui). Nunca provara este néctar dos deuses, até que, em uma viagem pela Itália, mais precisamente em Veneza (aqui), decidi experimentá-lo. Depois disso, o refrigerante é passado; tragam-me vinho!


No entanto, saborear um bom vinho, uma experiência encantadora, levanta algumas questões – como comprar, como estocar (afinal, no Rio de Janeiro, vivemos em um calor tremendo! Querem saber como? aqui), que vinho escolher. Esta é, com certeza, a mais difícil de responder sem conhecer o nosso gosto pessoal e também, quais são os tipos de vinho disponíveis.

Brancos, tintos, rosés... mas, e feitos com que uva(s)? Dúvida cruel! Creio que nosso paladar vai nos dando pistas, quanto ao sabor, ao aroma e à cor preferidos, como um verdadeiro juiz; mas, e quanto às uvas? Como conhecimento nunca é demais, que tal conhecer a origem de um vinho de qualidade?


Tudo começa com a fruta da espécie Vitis vinifera, o ponto em comum de todas as cepas (ou tipos, variedades) de uva do mundo, que, durante milênios, evoluiu e produziu uma enorme quantidade de variações. Além da sua grande variabilidade genética (ótima para criar novos tipos), ela igualmente se apropria das características do solo, dos nutrientes e do clima – está aberta então, a enorme possibilidade de adaptação e a criação de suas inúmeras variedades, encontradas pelo mundo, com nomes distintos em cada lugar (ou o mesmo nome, mas com características diversas, devido ao solo, ao cultivo e ao clima).


Fotos: caves do vinho do Porto, em Vila Nova de Gaia, Portugal – passeio imperdível (aqui)!


Para conseguir um vinho de qualidade singular, a videira é essencial, atentando sempre para a escolha da terra onde será cultivada, os nutrientes existentes (ou não) nesta terra, seu tempo de vida e seu desenvolvimento. Além disso, um vinho de qualidade também é conseguido por uma produção de ótimo nível, com técnicas especiais, assim como pela escolha das variedades (ou clones) que formarão o vinho.

Portanto, a qualidade de um bom vinho é resultado tanto de uma boa vinícola e de uma acertada seleção, quanto de excelentes uvas viníferas! E que uvas são estas? Aí vão algumas delas e seus respectivos países de origem*, para que os vinhos possam ser desfrutados nas viagens pelo mundo:


Alvarinho: de origem entre o norte de Portugal e o sul da Galícia, Espanha, uma das variedades brancas ibéricas de maior qualidade e potência aromática.
Cabernet Sauvignon: de origem do Médoc francês (terroir específico), tornou-se a variedade tinta mais cultivada do mundo, tendo intensidade de cor, estrutura, aroma e suavidade.
Chardonnay: variedade branca da região da Bourgogne, França, de excelente qualidade, leveza e toque aromático.
Gewürstraminer: cultivada na Alsácia, na Itália e na América do Sul, de aromas potentes com notas florais e frutadas.
Malbec: procedente da França, é rica em taninos, produz vinhos de rendimento moderado e de grande caráter, bons para o envelhecimento. Grande destaque dos vinhos argentinos.
Merlot: originária da França, espalhou-se pelo mundo e produz vinhos muito aromáticos, frescos e atraentes.
Nebbiolo: variedade de origem no Piemonte, Itália, produz vinhos como os espetaculares Barolo e Barbaresco, de excelente acidez e com muito tanino.
Pinot Noir: variedade tinta de origem na Bourgogne, França, de cultivo exigente e muito sensível às pragas, produz vinhos de cor menos intensa, ótimo paladar e muita sutileza olfativa.
Riesling: de origem na região do Reno, Alemanha, produz excelentes vinhos com aromas florais e frutados, evoluindo muito bem na garrafa.
Sauvignon Blanc: variedade branca de origem francesa, com aptidão peculiar para envelhecimento em barril.
Syrah: variedade tinta mediterrânea de maior qualidade e historicamente ligada à existência do vinho, produz vinhos com aromas muito especiais, dotados de corpo e estrutura, e aptos para o envelhecimento controlado. Adaptou-se muito bem na Austrália e na Nova Zelândia.
Tempranillo: variedade tinta que produz vinhos de grande sutileza, bem estruturados e notavelmente aromáticos, sendo a variedade principal de muitas denominações de origem (DO).
Vinho do Porto: leiam o post específico sobre ele aqui.


Agora que já sabem um pouco mais sobre as uvas, escolham um ótimo vinho e celebrem – saúde!

*Fonte: Vinhos – Coleção país a país, Folha de São Paulo/Editora Moderna, 2006

12 comentários:

Renata disse...

Ai, Cláudia...Sabe que eu ainda estou na fase do refrigerante?? Meu marido reclama muito que não tomo um vinho com ele...Vou começar a aprender, prometo!

Um beijo,

Renata.

Unknown disse...

Gostei!
Saborear um bom vinho com os pais, é uma boa pedida para hoje!
Hoje degustei um tinto seco com meu pai!
Foi ótimo!
Beijo!

Joaninha Bacana disse...

Vinho é tudo de bom... amoooooo!!! :-) Mas, nao sou uma grande conhecedora: só sei que de uns gosto, de outros nao, e pronto :-)
Beijos, Angie

Art by Drea's disse...

Agradeço as dicas, pois também adoro vinho!!!
Um Gde Bj
Andréa

Unknown disse...

Eu não gostava muito de vinho até experimentar "o vinho", um bom vinho é uma delícia mesmo.
Bjobjo

Unknown disse...

Olá!!
Deu saudade!
Fui ao Chile mes passado e experimentei vinho das uvas Carménère, gostei muitooo, mais que da Cabernet Sauvignon, tem sabor bem suave, dizem os chilenos que não existe dessa uva na europa devido as pragas, e eu realmente não lembro de ter expeimentado por lá, mas vale a pena experimentar!!! ;)
Ah! Experimenta o Casillero del diablo carménère, acho que ele é mais fácil encontrar!!

Cristina Uetake disse...

Claudinha, me deu uma vontade de provar queijos e vinhos! Delicinha esse post! Tava vendo a fonte... trabalhei na ed. Moderna, sabia?!?!? rsrs

Cadinho RoCo disse...

Para um instante de celebração brindemos com um belo vinho do Porto.
Cadinho RoCo

Cássia disse...

seu blog é um encanto sabia??? Quando venho aqui, parece que viajo mesmo.
Adoro!
Bjos!

Kira Aderne disse...

Tbm amo um bom vinho, especialmente os mais secos como o cabernet....no entanto, com o calor daqui, nem sempre é a bebida mais indicada...no entanto, é sempre chic beber um bom vinho com um bom acompanhamento...ótimo para um bom bate-papo!!!

Mil beijos Cláudia!

Euzinha disse...

O vinho até dispenso, mas essas tostas com esse queijinho... Hum!!!
Podes mandar para cá um pouquinho?
Beijinhos!!!

Ju disse...

Eu não entendia de vinhos agora minha escolha é o Cabernet Sauvignon!!